11 discos lançados em agosto que você deveria ouvir

Compartilhe o MB!

1. Abud – Vida Noturna

Terceiro trabalho do produtor Walter Abud a sair pelo selo Beatwise Recordings, Vida Nocturna traz beats e synths inspirados em canções dos anos 1980, sons muito presentes em seus sets como DJ. Com um estética retrowave, o disco nos transporta para uma viagem noturna em um carro sintonizado na Alpha FM. Segundo Abud, as cidades que o inspirou na construção do disco foram São Paulo e Buenos Aires, cidades em que divide seu tempo.  O projeto gráfico, ajuda na construção da atmosfera do disco e foi produzido por Naño Ramirez e Carlitos Wake.

Melhor Faixa: Caça Fantasmas
Pra Quem Gosta De: Eletrônica, Synthwave 

 

2. Apanhador Só – Meio Que Tudo é Um

A junção do experimentalismo com a música popular brasileira é o ponto central do terceiro disco da banda. Em Meio Que Tudo É Um, o ritmo despretensioso segue o tom melódico que é afirmado novamente nas composições do grupo gaúcho. Com contraposições e excessos propositais, o novo trabalho soa mais indigesto que o antecessor Antes Que Tu Conte Outra, lançado em 2013. O disco foi gravado de forma independente através de um financiamento coletivo e contou com a produção da própria banda em parceria com Diego Poloni. 

Melhor Faixa: O Creme e o Crime
Pra Quem Gosta De: Rock, Experimental

 

3. Bonifrate – Lady Remédios

O registro curto com um pouco mais de 17 minutos, do ex-Supercordas, Pedro Bonifrate, apresenta um disco conceitual onde as 5 faixas que o compõe, trazem diferentes perspectivas sobre a cidade onde o músico cresceu e voltou a morar, a vila de Nossa Senhora dos Remédios de Paraty no Rio de Janeiro. Em Lady Remédio, Bonifrate, mescla ritmos folclóricos com elementos da música contemporânea, resultando em um folk psicodélico. As composições, muitas vezes melancólicas, afirma a atmosfera a proposta no registro.

Leia Também:  Clipes lançados em janeiro de 2019 que você deveria assistir

Melhor Faixa: Lei de Remédios
Pra Quem Gosta De: Folk, Psicodelia

 

4. Chico Buarque – Caravanas

Sete das nove faixas que compõe o vigésimo terceiro disco intitulado Caravanas do cantor Chico Buarque são inéditas (as outras duas foram escritas pelo músico, mas gravadas por outros artistas), e abordam diversos temas como racismo, lesbianidade e até sobre Havana, capital de Cuba. Com a participação de Rafael Mike (Dream Team do Passinho), Chico Buarque traz um frescor para sua obra, mostrando que pode se reinventar, apesar de trazer a sua visão lírica e poética de sempre, para as novas canções. Além de Mike, Clara Buarque e Chico Brown fazem parte do disco.

Melhor Faixa: Blues Para Bia
Pra Quem Gosta De: MPB

 

5. Far From Alaska – Unlikely

O tão aguardado segundo disco da banda Far From Alaska, se mostra mais despretensioso do que seu antecessor modeHuman, lançado em 2014. A ideia era criar canções que fossem fáceis de cantar em shows. Além disso, todas as faixas levam no título o nome de um animal, conceito afirmado no projeto gráfico. Com 12 faixas, Unlikely foi gravado em Ashland nos Estados Unidos, graças a um financiamento coletivo e contou com a produção de Sylvia Massy, que já produziu grandes bandas como System Of A Down, Johnny Cash Red Hot Chilli Peppers.

Melhor Faixa: Elephant
Pra Quem Gosta De: Rock

 

6. Guilherme Arantes – Flores & Cores

Aproveitando o embalo do aclamado Condição Humana, lançado em 2013, Guilherme Arantes apresenta seu vigésimo sétimo álbum (vigésimo primeiro de inéditas), intitulado Flores & Cores. Com capa ilustrada por Gil Tokio e projeto gráfico de Ana Turra, no novo trabalho com doze faixas autorais, é apresentado canções sobre amor, com sonoridades ensolaradas e alegres, trazendo uma pegada do pop brasileiro flertando também com o rock progressivo e a música romântica, conceito que o próprio músico produzia nos anos 1980.

Leia Também:  Castello Branco está de volta com o disco "Sintoma",

Melhor Faixa: A Simplicidade é Feliz
Pra Quem Gosta De: MPB, Pop Rock

 

7. Mari Romano – Romance Modelo

Romance Modelo, é o primeiro álbum de Mari Romano, que apesar de ser estreante na carreira solo, tem grande participação na cena independente carioca. Mari é artista plástica e integrante do supergrupo feminista Xanaxou (projeto que conta também com Bel Baroni) e do Mãeana, além de ter produzido outros artistas. O disco tem fortes influências da música brasileira setentista, flertando também com diversos gêneros musicais, como o samba e ritmos latinos. Além disso, o trabalho lançado pelo selo RISCO, apresenta composições um tanto lúdicas em alguns momentos.

Melhor Faixa: Suquinho de Suor
Pra Quem Gosta De: Pop Rock

 

8. Os Paralamas do Sucesso – Sinais do Sim

Oito anos, é o tempo que separa o último disco de inéditas da banda Os Paralamas do Sucesso, do novo disco intitulado Sinais do Sim. Produzido por Mário Caldato Jr. (Marisa Monte, Nação Zumbi, Beck e Bestie Boys), o disco é provavelmente um dos trabalhos mais roqueiros da discografia do grupo. Além de canções românticas, o álbum retrata em suas 11 faixas questões políticas e a situação atual do país, tema delicado, mas abordado com muito otimismo. Apesar da obra não ser inovadora, o disco se sai bem mantendo-se fiel a sonoridade característica da banda.

Melhor Faixa: Medo do Medo
Pra Quem Gosta De: Pop Rock, Rock

 

9. Paulo Miklos – A Gente Mora no Agora

O terceiro disco solo do músico Paulo Miklos intitulado A Gente Mora no Agora, traz mensagens otimistas para os momentos difíceis. Com 13 faixas o trabalho do ex-Titãs, foi produzido por Mário Caldato Jr. e conta também com participações de artistas veteranos e alguns novatos nas composições como Emicida, Céu, Silva, Mallu Magalhães,  Guilherme Arantes, Erasmo Carlos e Nando Reis. O disco mostra um novo caminho para a música de Miklos, que retrata em suas canções diversos temas de forma leve e totalmente honesta.

Leia Também:  14 álbuns lançados em janeiro de 2017 que o MB ouviu

Melhor Faixa: Vou Te Encontrar
Pra Quem Gosta De: Pop Rock, MPB

 

10. Pavilhão 9 – Antes Durante Depois

Pavilhão 9 está de volta com o álbum Antes Durante Depois, depois de 11 anos em hiato. Com o projeto gráfico assinado por Leandro Dexter, o novo álbum conta com 10 faixas e aborda a realidade das periferias, da situação política atual do Brasil e até sobre a crise imigratória. No sétimo disco, a banda mantém a sonoridade que se define na fusão do hardcore com o hip-hop, conceito que a fez conhecida na década de 90 e que inspirou diversas bandas nacionais. Com faixas curtas, o álbum tem quase 30 minutos de duração, fazendo com que a mensagem discorra facilmente.

Melhor Faixa: Tudo Por Dinheiro
Pra Quem Gosta De: Hardcore, Hip-Hop

 

11. Tribalistas – Tribalistas 

Depois de 15 anos da estreia do projeto, o grupo formado por três grandes nomes da música popular brasileira, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown está de volta. O novo registro com 10 faixas dos Tribalistas, soa como uma continuação do primeiro e homônimo disco, lançado em 2002. O álbum não traz nada inovador, apesar das poucas mudanças na abordagem, principalmente nas composições, que se tornaram mais densas e políticas. Contudo, o álbum é perfeito para quem esperou por tanto tempo um novo trabalho do trio.

Melhor Faixa: Aliança
Pra Quem Gosta De: MPB

Deixe seu comentário!

Compartilhe o MB!

shares
Inline
Inline